Seja bem-vindo ao InfoCristão, o portal gospel da família brasileira!
quarta-feira , 29 maio 2024
Destaques

Sobrevivente do massacre de Columbine diz que viagem missionária à África o ajudou a entender sobre o perdão

Sobrevivente do massacre de Columbine diz que viagem missionária à África o ajudou a entender sobre o perdão
Entrada da Columbine High School (Foto: Arquivo/Reprodução)

Um sobrevivente do massacre na Columbine High School, cuja irmã foi assassinada no tiroteio na escola do Colorado, contou como uma viagem missionária à África o ajudou a entender a importância de realmente deixar a raiva de lado em uma atitude de perdão.

Durante entrevista falando sobre o que ele tem feito esta semana para marcar o 25º aniversário da tragédia, Craig Scott, de 41 anos, compartilhou como sua terrível experiência em 20 de abril de 1999 o equipou para falar sobre algumas das dores mais profundas dos jovens de hoje.

‘Saia daí’

Scott tinha apenas 16 anos de idade quando ouviu sons altos de estalos enquanto estudava para uma prova de biologia em uma mesa na biblioteca da escola com seu amigo Matt Kechter. Os sons foram os primeiros tiros disparados pelos veteranos Eric Harris e Dylan Klebold, o que levou Scott a se esconder embaixo de uma mesa com seu amigo.

A maioria das vítimas dos atiradores foi morta na biblioteca naquele dia, e Scott foi tomado pelo terror depois de testemunhar o assassinato de Kechter e de seu outro amigo Isaiah Shoels. Enquanto se encolhia sob a mesa coberta de sangue, Scott orou para que Deus removesse seu medo.

Dias depois do tiroteio, ele afirmou em uma entrevista no programa “Today” que, depois de clamar a Deus, ouviu uma voz em sua mente instruindo-o a fugir da biblioteca, uma história que ele mantém um quarto de século depois.

“Acabei deitando no chão”, disse Scott em 1999. “Eu estava orando a Deus para que me desse coragem e nos protegesse. Ele me disse para sair dali. Deus me disse para sair dali.” Ele ajudaria outros estudantes a escapar da biblioteca, onde os atiradores mataram a maioria de suas vítimas.

A polícia informou Scott e sua família no dia seguinte que sua irmã, Rachel Joy Scott, de 17 anos, foi a primeira estudante que Harris e Klebold mataram. Eles teriam zombado dela por sua fé cristã, que era declarada, antes de tirarem sua vida.

Depois de assassinar 12 alunos e um professor, Harris e Klebold tiraram suas próprias vidas na biblioteca. Vinte e uma pessoas sofreram ferimentos a bala e outras três ficaram feridas em meio ao caos.

‘Eu estava me tornando mais parecido com os atiradores’

A história de Rachel Scott inspirou a Rachel’s Challenge, uma organização sem fins lucrativos de prevenção de bullying e violência escolar, e levou Craig a falar sobre a dor que havia sentido.

Durante uma entrevista à CNN em 2012, Scott contou como a raiva que ele nutria pelos assassinos de sua irmã ameaçava arrastá-lo para a mesma escuridão espiritual que os havia consumido. Ele se lembrou de um momento em que explodiu em fúria contra seu irmão mais novo e próximo, aterrorizando-o ao puxar uma faca para ele.

“Eu estava fora de mim mesmo e percebi que estava me tornando mais parecido com os atiradores quando me concentrei neles e mantive minha raiva e ódio por eles”, disse Scott na época.

Scott disse que começou a aprender a deixar a raiva de lado depois de ser convidado a tomar o lugar de sua irmã em sua viagem missionária planejada para a África com uma organização evangélica de jovens. Enquanto ministrava a pessoas feridas que viviam em campos de refugiados, ele disse que conheceu pessoas que haviam sofrido perdas ainda piores do que as dele, o que lhe ensinou o poder de cura da gratidão e do perdão.

“Conheci uma pessoa que perdeu 17 membros de sua família porque toda a tribo foi morta, mas ainda assim levava uma vida de perdão”, disse ele, acrescentando que voltou da viagem de dois meses percebendo que nunca tinha motivos para reclamar de nada.

“Lembro-me de que, na África, comecei a realmente me libertar”, disse ele. “E como eu fazia isso, eu literalmente pegava minha emoção de raiva em minhas mãos como se fosse algo físico, e simplesmente a liberava para o céu. Eu a entregava a Deus. E não era algo que acontecia uma única vez. Eu teria que fazer isso várias vezes, especialmente quando via os rostos [dos atiradores] nos noticiários.”

‘É uma questão espiritual’

Um aspecto do que irritava Scott quando ele era jovem eram as notícias que apresentavam Harris e Klebold como vítimas, sugerindo que o bullying implacável os havia levado ao limite.

“Esse não foi um fator importante para a ocorrência de Columbine”, disse ele.

Scott, que havia interagido com os dois atiradores antes do massacre, afirmou que ambos tinham amigos na escola e que Harris mentia com frequência e “provavelmente era mais um valentão do que um intimidado”.

Klebold, por outro lado, era propenso a ataques de fúria, tinha depressão suicida e “achava que não tinha importância”, disse Scott.

Citando seus diários, Scott observou que os dois meninos se concentravam no negativo da vida, com Harris vendo o pior nas outras pessoas e Klebold vendo o pior em si mesmo.

“Para mim, é uma questão mais profunda; é uma questão espiritual e uma questão que trata também da saúde mental”, disse ele com relação a Harris, Klebold e outros atiradores de escola. “Mas os problemas estão no coração dos jovens, e é aí também que estão as soluções.”

Scott, que começou a falar publicamente sobre sua experiência quando tinha 18 anos e, desde então, já discursou em centenas de escolas e milhões de pessoas, disse que sempre enfatiza a importância de se concentrar nas coisas boas da vida quando fala.

Observando como a sociedade se tornou muito mais impiedosa e implacável do que quando ele estava crescendo, ele observou como um número cada vez maior de jovens que ele conhece está lutando contra a solidão, depressão e pensamentos suicidas, que, segundo ele, estatisticamente representam uma ameaça maior para os jovens do que um tiroteio na escola.

“O problema maior é a solidão e a depressão”, disse ele. “O suicídio é a segunda principal causa de morte entre adolescentes em nosso país, portanto, é um problema muito maior. Mas não se combate os problemas concentrando-se apenas no problema, mas sim na solução.”

Ele também observou que essas emoções negativas só pioraram nos últimos 25 anos com o advento da mídia social.

“Você já ficou tão irritado que guardou essa raiva por muito tempo? Imagine que você nunca a deixou ir embora e depois a alimentou”, disse Scott em resposta àqueles que questionam como um atirador de escola poderia cometer atos tão hediondos.

“E imagine que você começou a ver o pior em tudo e em todos, a se desconectar das outras pessoas e a escolher influências muito negativas e odiosas por meio da mídia, que qualquer criança pode encontrar”, acrescentou.

“Agora, você consegue ver como isso poderia acontecer?”

Scott, que lutou contra a depressão, disse que passou a acreditar que a solução para a depressão e outras emoções negativas, como solidão, raiva e ódio, é “gratidão e reconhecimento”.

‘O perdão liberta você’

O perdão é um passo importante no caminho da cura, disse Scott.

“Há um tempo para a emoção depois que algo injusto acontece em sua vida, mas se você se apega a isso por anos e anos, então você se torna um prisioneiro da falta de perdão”, disse Scott.

“O que as pessoas não entendem é que o perdão é para você”, disse ele. “O perdão liberta você. Nem sempre é para a outra pessoa. Às vezes, perdoamos e essa pessoa nem sequer está em nossa vida. É abrir mão do nosso direito de ficar com raiva.”

Como o fato de nos apegarmos ao direito de ficar com raiva é muitas vezes justificado logicamente, Scott reconheceu que o perdão é muitas vezes difícil, mas observou que os seguidores de Cristo são chamados a isso.

“Espiritualmente, você deve escolher o caminho do perdão”, disse ele. “O perdão é uma atitude. Não é apenas um evento único. É uma atitude que adotamos: sou uma pessoa que perdoa, deixo de lado as ofensas que os outros fazem contra mim e fico livre disso.”

“E essa é uma ótima maneira de viver”, acrescentou.

Scott, que administra um site, está lançando um novo podcast no sábado chamado “Pain into Purpose” (Dor em Propósito), que apresenta as histórias de outras pessoas que encontraram significado em seu sofrimento.

Folha Gospel com informações de The Christian Post


Por: Folha Gospel
Fonte/URL: https://folhagospel.com/sobrevivente-do-massacre-de-columbine-diz-que-viagem-missionaria-a-africa-o-ajudou-a-entender-sobre-o-perdao/

Artigos Relacionados

Marcha para Jesus reuniu 20 mil pessoas em Paris: “A Europa será salva”

Marcha para Jesus em Paris. (Foto: Instagram/Jean-Luc Trachsel ministries) A Marcha para...

Ex-detento que se converteu na prisão leva centenas de pessoas a Jesus

Ex-detento Holy Gabbana (Foto: Reprodução/Instagram) Um ex-detento que cumpria pena por acusações...

Rodolfo Abrantes denuncia abusos e manipulações na igreja Bola de Neve

Rodolfo Abrantes (Foto: revista Comunhão) Rodolfo Abrantes e sua esposa, Alexandra Abrantes,...