Seja bem-vindo ao InfoCristão, o portal gospel da família brasileira!
segunda-feira , 20 maio 2024
DestaquesMundo Cristão

Relatório revela que motins recentes contra cristãos paquistaneses provavelmente foram motivados por ódio

Um relatório de investigação concluiu que os motins de Agosto em Jaranwala, no Paquistão, provavelmente não foram espontâneos, mas sim parte de uma “campanha maior de ódio contra os cristãos locais”. De acordo com a missão de averiguação conduzida pela Comissão de Direitos Humanos do Paquistão (HRCP), os agentes da polícia confirmaram que alguns “grupos religiosos muçulmanos levantaram questões que criaram tensão comunitária no passado recente”. 

Em 16 de agosto de 2023, pelo menos 24 igrejas, várias dezenas de capelas mais pequenas e dezenas de casas em Jaranwala foram incendiadas, saqueadas ou destruídas numa série de ataques liderados por multidões contra a comunidade cristã local. 

A HRCP tomou conhecimento de que estavam em circulação vários vídeos feitos durante os ataques em diferentes localidades de Jaranwala, mostrando membros de um determinado partido político religioso incitando a multidão à violência. O relatório também indica que poderá haver motivos políticos e sociais mais amplos por trás do ataque a Jaranwala.
 
No entanto, nem todas as autoridades locais concordam com o relatório do HRCP, acreditando que a culpa é da Índia. O Inspetor Geral da Polícia de Punjab declarou numa conferência de imprensa que os motins em Jaranwala e a profanação do Alcorão em Sargodha, no Paquistão, eram provas de uma “conspiração estrangeira” por parte da Índia para diminuir os seus próprios maus tratos aos cristãos.
 
Enquanto falava, o agente da polícia acenou com uma cópia de um artigo sobre os maus tratos às mulheres cristãs em Manipur, na Índia, e uma reportagem sobre uma resolução da União Europeia que aborda as injustiças contra os muçulmanos e outras minorias na Índia. “Destruímos a rede anti-Paquistão”, disse ele. “Se Deus quiser, tais incidentes não ocorrerão no futuro.”
 
O inspetor-geral da polícia disse que os policiais prenderam 180 pessoas suspeitas dos ataques de Jaranwala, incluindo três suspeitos principais. Ele não disse por que os cristãos em Jaranwala foram presos e se eram suspeitos de serem “agentes” do país vizinho. 

“Descobrimos que os dois acusados ​​detidos em Sargodha tinham ligações a uma agência hostil”, disse a polícia, insinuando a sua crença numa conspiração planeada pelo país inimigo. “A agência hostil planejou uma conspiração bem pensada e coordenada para desviar a atenção do seu país para o Paquistão.”

Em resposta ao relatório policial, o Presidente da Igreja do Paquistão, Bispo Azad Marshall, disse num comunicado à imprensa que a afirmação do chefe da polícia era “ridícula” e uma tentativa de “enterrar os factos, como tem sido a prática passada em todos tais incidentes.”
 
Ele acrescentou que, em vez de investigar as razões subjacentes a tais ataques e abordar as causas profundas, como o uso indevido de leis severas sobre blasfêmia, a polícia está prendendo e assediando cristãos para encobrir a verdade por trás dos ataques de Jaranwala. Estas declarações policiais insinuam que os pobres cristãos são espiões, o que é muito perigoso para a comunidade.

O líder sênior da igreja apresentou uma petição no Tribunal Superior de Lahore buscando a formação de uma comissão judicial para investigar todos os aspectos dos ataques, para promulgar justiça contra policiais e funcionários negligentes, e para adicionar medidas para proteger os cristãos da violência da multidão. “O incidente de Jaranwala poderia ter sido evitado se medidas apropriadas fossem tomadas em relação aos ataques em Shantinagar, Gojra e na Colônia Joseph no passado, mas parece que nosso estado não está interessado em abordar a causa raiz que leva a tal violência sem sentido”, disse ele. disse.

O defensor dos direitos humanos e diretor executivo do Centro de Justiça Social (CSJ), Peter Jacob, fez parte da investigação do HRCP. Ele comentou a investigação policial sobre o incidente de Jaranwala e levantou preocupações sobre a falta de clareza em relação a vários dos recentes relatórios policiais apresentados. Peter classificou a alegação de conspiração indiana por parte da polícia como uma declaração política típica.  

“Se esta foi uma conspiração estrangeira e não houve moradores locais envolvidos, então a polícia deve pedir desculpas à comunidade cristã, pois não foi capaz de apreender esta conspiração”, afirmou Jacob.

 Ele enfatizou que a radicalização e a intolerância religiosa no Paquistão são questões profundamente enraizadas, independentes de eventos externos. Para resolver estes problemas, Jacob destacou a necessidade de abordar factores internos, incluindo o policiamento e as reformas que inadvertidamente alimentam o ódio religioso e o extremismo. Na luta contra a violência de base religiosa no Paquistão, Jacob apelou às autoridades para que examinassem os factores sociais que contribuem para o crescente extremismo e a intolerância religiosa. Para evitar o uso indevido das leis sobre a blasfémia, ele instou o governo paquistanês a dar prioridade à resolução das lacunas no quadro jurídico que rodeia estas leis.

Alegadamente, pelo menos 57 casos de blasfémia foram registados no Paquistão entre Janeiro e Maio de 2023. O maior número de casos, 28 no total, foi registado na província de Punjab. Em 2022, o Centro de Investigação e Estudos de Segurança (CRSS) informou que entre 1947 e 2021, 18 mulheres e 71 homens foram mortos extrajudicialmente por acusações de blasfémia. Desde 2011, quase 1.300 pessoas foram acusadas de blasfêmia. 

Artigos Relacionados

Igreja Bola de Neve é acusada de estelionato e exploração de trabalho voluntário

Thiago Santana, Márcio Bieda e Apóstolo Rina (Foto: Reprodução) Em uma live...

Influencer que associou tragédia gaúcha a religiões de matriz africana é denunciada pelo Ministério Público

Influencer Michele Dias Abreu (Imagem: Reprodução Facebook/Instagram O Ministério Público de Minas...

Dezenas de pessoas aceitam Jesus em meio à tragédia no RS

Pastor Lipão no abrigo. (Foto: Reprodução/Instagram/Filipe Duque Estrada) O pastor Filipe Duque...