Seja bem-vindo ao InfoCristão, o portal gospel da família brasileira!
quinta-feira , 18 julho 2024
Destaques

Órgão de fiscalização dos EUA expressa preocupação com o ataque a mais de 150 igrejas desde o início da guerra no Sudão

Órgão de fiscalização dos EUA expressa preocupação com o ataque a mais de 150 igrejas desde o início da guerra no Sudão
Igreja incendiada no Sudão (foto representativa)

Desde o início da guerra no Sudão, em abril passado, mais de 150 igrejas foram danificadas ou destruídas, de acordo com um relatório da Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos Estados Unidos (USCIRF, sigla em inglês).

O conflito entre as Forças Armadas do Sudão e as Forças de Apoio Rápido paramilitares já ceifou milhares de vidas e devastou comunidades religiosas, com os órgãos de vigilância dos EUA alertando que os locais religiosos estão sendo alvo de ataques, deixando um rastro de destruição.

O conflito em andamento resultou em mais de 13.000 mortes estimadas, com combatentes armados atacando casas de culto e outros locais religiosos, de acordo com a USCIRF.

Em uma declaração, o Comissário Mohamed Magid disse: “O direito humanitário internacional considera as casas de culto e os locais religiosos como sacrossantos, mesmo durante o conflito armado. Apesar das proteções do Artigo 53, as casas de culto e os locais religiosos continuam a ser danificados e destruídos de forma inadmissível no Sudão”.

O comissário também levantou preocupações sobre os ataques a líderes religiosos e o impacto do conflito sobre as minorias religiosas.

Um evento significativo ocorreu em janeiro, quando militantes da RSF incendiaram uma igreja evangélica em Wad Madani, de acordo com o Morning Star News. A igreja, construída em 1939, era a maior estrutura religiosa do Estado de Gezira. A RSF também atacou um monastério cristão copta em Wad Madani, convertendo-o em uma base militar.

A violência não se limita às estruturas. Em maio de 2023, assaltantes armados entraram em uma igreja e atiraram em quatro pessoas, incluindo um padre e seu filho, e esfaquearam o guarda da igreja antes de saquear o prédio. Os militantes da RSF também mataram Hidar Al Amin, membro da Igreja Evangélica Presbiteriana do Sudão, durante um ataque em Omdurman. O parente de Al Amin relatou que ele foi morto depois que os militantes da RSF saquearam sua propriedade.

Em outro incidente, o pastor evangélico Kowa Shamal escapou por pouco da morte depois que os militantes da RSF ordenaram que ele renunciasse à sua fé, informou o La Croix International no início deste mês. O pastor Shamal se recusou, resultando em um confronto físico que terminou com o assassinato de seu sobrinho de 23 anos. A RSF matou o sobrinho porque ele se recusou a remover a cruz que usava no pescoço.

O enviado especial dos EUA para o Sudão, Tom Perriello, e a administradora adjunta da USAID, Isobel Coleman, participaram da Conferência Humanitária Internacional sobre o Sudão no início deste mês, marcando o aniversário de um ano da guerra. A administradora adjunta Coleman anunciou US$ 100 milhões em assistência humanitária adicional para o povo do Sudão, elevando a assistência humanitária do governo dos EUA ao povo sudanês para mais de US$ 1 bilhão desde outubro de 2023.

Nos últimos meses, houve um aumento notável na destruição de locais religiosos durante o conflito armado. A USCIRF pediu que os governos e os atores não estatais aderissem à lei internacional para proteger esses locais, citando publicações sobre liberdade religiosa na região do Sahel e a proteção de locais religiosos pela lei internacional.

O conflito afetou profundamente a minoria cristã do Sudão, estimada em cerca de 2 milhões ou 4,5% da população do país de mais de 43 milhões.

A Lista Mundial da Perseguição de 2024 da Portas Abertas classificou o Sudão em 8º lugar entre os lugares mais desafiadores para ser cristão, com reformas da liberdade religiosa em nível nacional que não foram promulgadas localmente. Os ataques de agentes não estatais continuaram a aumentar, contribuindo para essa alta classificação.

A violência no Sudão deixou milhões de deslocados, com os civis suportando o peso da luta pelo poder entre a SAF e a RSF. Como os combates continuam, as minorias religiosas temem que a situação possa piorar mesmo quando o conflito terminar, o que gera preocupações sobre futuras perseguições. O conflito em andamento reacendeu os temores dos aspectos severos da lei islâmica, especialmente após o golpe militar de 2021.

O estado profundo que alimentou o golpe de 25 de outubro de 2021, que levou ao conflito, é visto como uma ameaça às minorias religiosas. O governo de transição, estabelecido após a destituição do ex-ditador Omar al-Bashir em 2019, fez progressos na redução da discriminação religiosa, incluindo a proibição das leis de apostasia. No entanto, desde então, o golpe militar reverteu esses avanços, deixando as comunidades religiosas do Sudão em um estado precário.

Folha Gospel com informações de The Christian Post


Por: Folha Gospel
Fonte/URL: https://folhagospel.com/orgao-de-fiscalizacao-dos-eua-expressa-preocupacao-com-o-ataque-a-mais-de-150-igrejas-desde-o-inicio-da-guerra-no-sudao/

Artigos Relacionados

The Chosen: quarta temporada chega ao aplicativo da série

“The Chosen” é uma série baseada no relato bíblico do evangelho de...

Líderes cristãos reagem à tentativa de assassinato de Donald Trump

Donald Trump ferido após tentativa de assassinato durante comício nos EUA (Foto:...

Nigéria: mais de 50.000 cristãos massacrados por grupos violentos em 15 anos, diz relatório

Cristãos durante culto em igreja na Nigéria (Foto: Gracious Adebayo/Unsplash.com ) A...