Seja bem-vindo ao InfoCristão, o portal gospel da família brasileira!
quarta-feira , 29 maio 2024
Destaques

Paquistão deve mudar leis sobre casamentos forçados e conversões de meninas, exige ONU

Paquistão deve mudar leis sobre casamentos forçados e conversões de meninas, exige ONU
Rapto, conversão e casamento de menina hindu menor no Paquistão. (Foto: Reprodução / Hoaxorfact)

Especialistas em direitos humanos da ONU pediram ao Paquistão que faça mudanças na legislação, tendo em vista a contínua vulnerabilidade de mulheres e meninas de religiões minoritárias a casamentos forçados e conversões religiosas.

Os relatores especiais da ONU exigiram que o Paquistão aumentasse a idade legal para as meninas se casarem para 18 anos como um impedimento contra a exploração no país 96% muçulmano.

“A exposição de mulheres jovens e meninas, pertencentes a comunidades religiosas minoritárias, a violações hediondas dos direitos humanos e a impunidade de tais crimes não podem mais ser toleradas ou justificadas”, disseram eles em um comunicado emitido em Genebra.

Eles expressaram preocupação com o fato de que os casamentos forçados e as conversões religiosas de meninas de religiões minoritárias, incluindo o cristianismo, foram “validados pelos tribunais, muitas vezes invocando a lei religiosa para justificar a manutenção das vítimas com seus sequestradores em vez de permitir que eles as devolvam aos seus pais”.

“Os criminosos muitas vezes escapam da responsabilização, com a polícia descartando os crimes sob o pretexto de ‘casamentos por amor’”, disseram eles.

Os especialistas enfatizaram que os casamentos infantis, precoces e forçados não podem ser justificados por motivos religiosos ou culturais. Eles ressaltaram que, de acordo com a lei internacional, o consentimento é irrelevante quando a vítima é uma criança com menos de 18 anos de idade. Atualmente, Sindh é a única província do Paquistão onde a idade legal para o casamento de meninas e meninos é 18 anos, enquanto em Punjab, Khyber Pakhtunkhwa e Balochistan, a idade mínima para meninas ainda é 16 anos.

“O direito da mulher de escolher um cônjuge e de se casar livremente é fundamental para sua vida, dignidade e igualdade como ser humano e deve ser protegido e mantido por lei”, disseram os especialistas.

Eles enfatizaram a necessidade de disposições que invalidem, anulem ou dissolvam casamentos contraídos sob coação, com a devida consideração pelas mulheres e meninas envolvidas, e que garantam o acesso à justiça, a recursos, à proteção e à assistência adequada às vítimas.

Não obstante o direito das crianças à liberdade de pensamento, consciência e religião, de acordo com o Artigo 14 da Convenção sobre os Direitos da Criança, a mudança de religião ou crença em todas as circunstâncias deve ser livre, sem coerção e incentivos indevidos, disseram eles.

“As autoridades paquistanesas devem promulgar e aplicar rigorosamente as leis para garantir que os casamentos sejam celebrados somente com o consentimento livre e pleno dos cônjuges pretendidos e que a idade mínima para o casamento seja aumentada para 18 anos, inclusive para as meninas”, afirmaram os especialistas. “As mulheres e meninas devem ser tratadas sem discriminação, incluindo aquelas que pertencem às comunidades cristã e hindu.”

Eles destacaram casos de conversões religiosas forçadas, incluindo o de Mishal Rasheed, que foi sequestrada sob a mira de uma arma em sua casa na província de Punjab enquanto se preparava para a escola em 2022. Mishal foi agredida sexualmente, convertida à força ao Islã e forçada a se casar com seu sequestrador. Eles também observaram que no mês passado, em 13 de março, uma menina cristã de 13 anos foi supostamente sequestrada, convertida à força ao islamismo e casada com seu sequestrador depois que sua idade foi registrada como 18 anos em uma certidão de casamento.

Os especialistas da ONU disseram que as meninas cristãs e hindus continuam particularmente vulneráveis à conversão religiosa forçada, ao sequestro, ao tráfico, ao casamento infantil, precoce e forçado, à servidão doméstica e à violência sexual.

O grupo incluiu a Relatora Especial sobre Liberdade de Religião ou Crença, Nazila Ghanea; o Relator Especial sobre Questões de Minorias, Nicolas Levrat; a Relatora Especial sobre Tráfico Humano, Siobhan Mullally, e o Relator Especial sobre Formas Contemporâneas de Escravidão, Tomoya Obokata. A presidente do grupo de trabalho sobre discriminação contra mulheres e meninas, Dorothy Estrada Tanck, e os membros do grupo de trabalho – Claudia Flores, Ivana Krstic, Haina Lu e Laura Nyirinkindi – também se juntaram aos especialistas.

Os relatores especiais fazem parte dos Procedimentos Especiais do Conselho de Direitos Humanos da ONU. Procedimentos especiais, o maior corpo de especialistas independentes no sistema de direitos humanos da ONU, é o nome geral dos mecanismos independentes de apuração de fatos e monitoramento do conselho que abordam situações específicas de países ou questões temáticas em todas as partes do mundo.

Os especialistas da ONU insistem para que o Paquistão leve os criminosos à justiça, a aplicar as proteções legais existentes contra o casamento infantil, precoce e forçado, o sequestro e o tráfico de meninas de minorias e a cumprir as obrigações internacionais de direitos humanos do país.

Um relatório publicado em novembro de 2021 pelo All Party Parliamentary Group on Freedom of Religion and Belief afirmou que aproximadamente 1.000 meninas de outros grupos religiosos no Paquistão haviam sido sequestradas e convertidas à força.

Tehmina Arora, diretora de defesa na Ásia da Alliace Defending Freedom International, disse que uma idade uniforme para o casamento em todo o Paquistão, juntamente com um judiciário atento, protegerá os direitos e as liberdades das meninas em todo o país, especialmente as pertencentes à vulnerável comunidade cristã.

“Todos os anos, no Paquistão, milhares de meninas menores de idade são convertidas à força e casadas com seus sequestradores”, disse Arora. “Ninguém deveria sofrer os horrores do sequestro, do casamento forçado e da conversão forçada.”

O Paquistão tem enfrentado degradação social global por seus compromissos instáveis com a proteção das minorias religiosas e pela falta de disposição do governo paquistanês em denunciar o extremismo sem equívocos. Mas isso não diminuiu o ímpeto da opressão contra cristãos, hindus e ahmadis, que estão entre os grupos mais marginalizados e perseguidos do país.

Apesar das tentativas de fazê-lo, especialmente nas assembleias provinciais, os legisladores liberais paquistaneses não conseguiram aprovar uma legislação contra as conversões forçadas e a alteração das leis de casamento infantil do Paquistão. Essas duas questões têm uma profunda correlação e complicam ainda mais as tentativas de promulgar tais leis.

O Paquistão ficou em sétimo lugar na Lista Mundial da Perseguição de 2024, da Portas Abertas, que mostra os lugares mais difíceis para ser cristão.

Folha Gospel com informações de The Christian Today


Por: Folha Gospel
Fonte/URL: https://folhagospel.com/paquistao-deve-mudar-leis-sobre-casamentos-forcados-e-conversoes-de-meninas-exige-onu/

Artigos Relacionados

Marcha para Jesus reuniu 20 mil pessoas em Paris: “A Europa será salva”

Marcha para Jesus em Paris. (Foto: Instagram/Jean-Luc Trachsel ministries) A Marcha para...

Ex-detento que se converteu na prisão leva centenas de pessoas a Jesus

Ex-detento Holy Gabbana (Foto: Reprodução/Instagram) Um ex-detento que cumpria pena por acusações...

Rodolfo Abrantes denuncia abusos e manipulações na igreja Bola de Neve

Rodolfo Abrantes (Foto: revista Comunhão) Rodolfo Abrantes e sua esposa, Alexandra Abrantes,...