Seja bem-vindo ao InfoCristão, o portal gospel da família brasileira!
quarta-feira , 29 maio 2024
Saúde

Tratamento da insuficiência tricúspide: o que você precisa saber

Tratamento da insuficiência tricúspide: o que você precisa saber

Insuficiência tricúspide (IT) é condição relativamente frequente, com incidência de 5 a 20% nos Estados Unidos, e geralmente ocorre de forma concomitante a doença mitral ou aórtica, que acabam sendo o foco do tratamento.  

Quanto mais grave a insuficiência, maior a morbi-mortalidade. O manejo clínico é um desafio e sempre foi limitado a otimização volêmica com uso de diuréticos. A intervenção cirúrgica tem altas taxas de morbi-mortalidade, porém nos últimos anos surgiram algumas novas opções de intervenção percutânea.  

Recentemente foi publicada uma revisão sobre o tratamento da IT. Abaixo seguem os principais pontos.  

Médico atendendo mulher jovem com insuficiência cardíaca

Considerações anatômicas 

A tricúspide é a maior valva cardíaca e fica na posição mais anterior e apical. É formada por quatro componentes: anel fibroso, 3 folhetos (anterior, posterior e septal), dois músculos papilares e cordas tendíneas. O anel tricúspide é bastante dinâmico e muda sua morfologia a depender de alterações de pressão intra-cardíacas. 

Definições 

A IT pode ser primária ou secundária:  

– IT primária decorre de alterações intrínsecas do aparato valvar. Geralmente é causada por endocardite, degeneração ou prolapso, insuficiência de prótese valvar, cabos de dispositivos e outras. 

– IT secundária, também chamada funcional, decorrente de dilatação do anel ou disfunção decorrente de remodelamento do ventrículo direito (VD). É mais comum e tem como etiologias doença do ventrículo esquerdo (VE), alterações dos átrios, doença pulmonar, doença do VD e doenças pericárdicas. Tem pior morbi-mortalidade, pois os pacientes são mais idosos, com mais comorbidades e mais fatores de risco. A de causa pulmonar é a que tem pior prognóstico. 

– IT isolada é a que ocorre na ausência de doenças coexistentes. Está se tornando mais frequente e se caracteriza pela ocorrência de dilatação do átrio direito (AD), do anel triscuspídeo e fibrilação atrial (FA).  

Exame físico 

O achado clássico é de sopro holossistólico, mais audível na borda esternal média, a direita ou esquerda, a depender do grau de remodelamento do VD. Manobras que aumentam o retorno venoso aumentam a intensidade do sopro. 

O sinal de Lancisi é o achado de pulsação jugular ampla e monomórfica na sístole, comumente confundida com a pulsação carotídea.  

Na IT grave o fígado pode ser pulsátil e o sopro pode ser audível no fígado. Sinais de IC direita são comuns e pode haver congestão hepática e do trato gastrointestinal, inclusive com quadros crônicos levando a insuficiência hepática. Congestão renal também pode ocorrer, com síndrome cardiorrenal e redução de diurese. 

Critérios diagnósticos 

O ecocardiograma transtorácico (ETT) é o padrão ouro. Deve ser realizado na janela paraesternal, eixo curto e quatro câmaras, com objetivo de visualizar os 3 folhetos. O doppler avalia a gravidade da insuficiência e achados de área de jato regurgitante > 10cm2 e vena contracta > 7cm sugerem IT importante.  

O jato regurgitante pode ser calculado, porém o resultado costuma ser inacurado. Além disso, o valor de corte para IT grave não é definido. Com o aumento da gravidade, fluxo sistólico reverso pode ser observado nas veias hepáticas.  

Assim, o diagnóstico de IT grave é feito com base na avaliação da área do jato regurgitante, vena contracta e presença de fluxo reverso na veia hepática. Dento da IT grave o paciente pode ainda ser classificado com IT grave, massiva e torrencial, que tem a pior sobrevida.  

O ecocardiograma pode ser útil para planejamento de procedimentos e avaliação de plastia versus troca valvar.  

A ressonância magnética cardíaca (RMC) pode auxiliar na diferenciação dos casos mais graves, já que tem alta resolução espacial e permite delinear melhor as estruturas. Além disso, consegue avaliar acometimento do VD e remodelamento fibrótico.   

Tratamento conservador 

O tratamento conservador é limitado e o paciente deve ser seguido com ETT. Não há recomendação específica em relação ao tempo, porém pode-se extrapolar dos casos de insuficiência mitral (IM), com exames a cada 3 a 6 meses.  

Diuréticos de alça auxiliam no alívio dos sintomas e quando o paciente apresenta sinais de IC direita com sintomas persistentes e internações recorrentes deve ser avaliado por um valve team.  

Não é claro se correção da IT grave melhora desfechos pelo remodelamento do VD e os desfechos após correção tem sido associados a fração de ejeção do VD e volumes diastólicos finais, porém não há valores de corte definidos. Ou seja, não há boa definição de quem se beneficia de intervenção e sugere-se que pacientes com IT grave, mesmo que assintomáticos, devam ser avaliados por um valve team, com o objetivo de prevenir remodelamento irreversível de VD. 

Tratamento transcateter 

Esse tipo de tratamento é mais recente e ainda há diversos desafios, principalmente por conta da complexidade anatômica da válvula. Ao se considerar intervenções transcateter, há 2 opções principais: correção ou troca valvar.  

Dentro das possibilidades de correção, há também 2 opções: anuloplastia ou dispositivos de coaptação. A anuloplastia objetiva reduzir o tamanho e restaurar o formato do anel dilatado. Já os dispositivos de coaptação funcionam como uma forma de fechar um espaço entre os folhetos, com foco no folheto septal, o mais comumente alterado.  

O reparo transcateter edge-to-edge é um dispositivo de coaptação e é a técnica mais estudada. É a única que foi avaliada de forma randomizada e controlada. O estudo TRILUMINATE avaliou o dispositivo Triclip em pacientes com IT sintomática com tratamento clínico otimizado e risco cirúrgico intermediário ou alto.  

Nesse estudo os pacientes tinham idade média de 78 anos, 55% eram mulheres, 90% tinham fibrilação atrial, 80% hipertensão e 42% hipertensão pulmonar. Do total, 90% dos casos eram de IT secundária. O grupo intervenção teve menor ocorrência de morte ou cirurgia valvar e internação por insuficiência cardíaca. A taxa de sucesso foi de 100%, não houve óbitos relacionados ao procedimento e 98% ficaram livres de eventos adversos nos primeiros 30 dias após o procedimento. Esses resultados mostram que é procedimento promissor para pacientes de alto risco, com boa segurança e eficácia. 

Existem ainda 2 dispositivos de coaptação com designs diferentes: o sistema PASCAL e o FORMA, cujos resultados estão sendo avaliados em estudos ainda em andamento. Em relação a anuloplastia, há 5 dispositivos em estudo, que parecem ser seguros, porém ainda não há resultados. 

Implante transcateter valve-in-valve 

Este procedimento consiste na troca valvar via percutânea e há 2 categorias:  

– Ortotópicas: colocadas no anel valvar, necessitam de anatomia favorável. Existem 7 valvas desenvolvidas até o momento, geralmente de pericárdio bovino em uma base de nitinol auto-expansível, que diferem no tamanhos e nível de dureza. O ideal é que tenha tamanho pequeno suficiente para caber no VD e consiga se estabilizar em um anel valvar relativamente grande. Essas valvas ainda estão sob estudo e quase não há dados disponíveis, porém, dados preliminares sugerem perfil de segurança favorável, com alta taxa de sucesso e baixa taxa de mortalidade intra-hospitalar. Boa parte dos pacientes tem melhora dos sintomas em até 30 dias e há um estudo randomizado e controlado em programação de início em breve. 

– Heterotópicas: colocadas na veia cava; Há algum benefício em melhora de sintomas e congestão hepática e existe apenas um sistema desse tipo, que se mostrou seguro e eficaz. Porém, este tipo de procedimento foi realizado em pacientes de risco cirúrgico muito alto ou proibitivo. Parece haver alta taxa de sucesso e melhora da mortalidade no seguimento de 6 meses. 

As complicações do implante transcateter valve-in-valve são as mesmas das outras valvas, como disfunção, leak paravalvar, alteração elétrica e lesão vascular. Pode ocorrer também formação de trombos e, como as pressões e a velocidade de fluxo são menores que do lado esquerdo do coração, indica-se anticoagulação de longo prazo para todos os pacientes. 

No geral, os dados sobre esses dispositivos ainda são limitados e a maioria vem de estudos da indústria, com potencial viés. Além disso, a maioria dos pacientes são de alto risco cirúrgico ou risco proibitivo, podendo haver confundidores. 

Intervenções cirúrgicas 

Cirurgia é pouco realizada atualmente e correção valvar, com anuloplastia e correção do folheto, é mais realizada que troca da valva. Geralmente é feita quando há indicação de cirurgia mitral ou aórtica, já que correção isolada tem muitas complicações e alta mortalidade.  

Parece que o mais importante é definir qual paciente tem benefício e todos os que tem IT primária ou IT isolada grave com tratamento otimizado devem ser avaliados por um valve team. 

Comentários e conclusão 

A IT grave é de difícil manejo e tratamento clínico limitado. A cirurgia não tem bons resultados e raramente é realizada. Nos últimos anos surgiram novas possibilidades de tratamento intervencionista, com os procedimentos percutâneos. Porém, ainda são necessários mais estudos clínicos para comprovar a eficácia e segurança dos novos procedimentos, que parecem promissores.  

Selecione o motivo:

Errado

Incompleto

Desatualizado

Confuso

Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Autor

Editora de cardiologia do Portal PEBMED ⦁ Graduação em Medicina pela Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) ⦁ Residência em Clínica Médica pela UNIFESP ⦁ Residência em Cardiologia pelo Instituto do Coração (InCor) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) ⦁ Atualmente atuando nas áreas de terapia intensiva, cardiologia ambulatorial, enfermaria e em ensino médico.

Referências bibliográficas:
Ícone de seta para baixo

  • Ambrosino M, Sangoi M, Monzer N, Irving B, Fiorilli P, Khazan B, Goldberg S. Tricuspid Regurgitation: A Review of Current Interventional Management. J Am Heart Assoc. 2024 Mar 19;13(6):e032999. doi: 10.1161/JAHA.123.032999. Epub 2024 Mar 12. PMID: 38471826.  



Por: Isabela Abud Manta
Fonte/URL: https://pebmed.com.br/tratamento-da-insuficiencia-tricuspide-o-que-voce-precisa-saber/

Artigos Relacionados

Ministers and high-level health authorities of the Americas discuss future pandemic response

Geneva, May 28, 2024 (PAHO/WHO) – Ministers of health and high-level health authorities...

Syphilis cases increase in the Americas

Washington, DC, May 22, 2024 (PAHO)- New syphilis cases among adults aged...