Seja bem-vindo ao InfoCristão, o portal gospel da família brasileira!
quarta-feira , 29 maio 2024
Saúde

Intubação submentoniana: uma técnica pouco utilizada

Intubação submentoniana: uma técnica pouco utilizada

A intubação traqueal em algumas situações pode ser considerada um desafio para o profissional anestesista, principalmente em casos de via aérea difícil ou mesmo a necessidade de competição com o cirurgião pelo espaço oral em cirurgias de cabeça e pescoço, como, por exemplo, em pacientes com trauma facial.  

Muitas vezes, impedidos de permanecer com o tubo traqueal na cavidade oral, em situações nas quais a intubação nasal e oral está contraindicada, muitos profissionais optam por realizar técnicas mais invasivas, como a traqueostomia ou cricotireoidostomia, que, além de serem técnicas mais elaboradas, necessitando da ajuda de especialistas, podem desencadear complicações desnecessárias. 

A intubação submentoniana, também conhecida como intubação submentuorotraqueal, resumidamente, consiste na passagem do tubo traqueal através do assoalho bucal. É uma técnica relativamente rápida e muito segura que assegura a permanência do anestesista com uma via aérea pérvia e que o cirurgião mantenha o livre acesso à cavidade oral e possa manipular as regiões facial e cervical com muito mais conforto e segurança. Porém essa técnica é pouco utilizada e difundida na classe anestésica. 

A técnica foi descrita pela primeira vez em 1986 por Francisco Hernandez Altemir, com o objetivo de se evitar uma traqueostomia, tendo atualmente uma incidência de 2% de realização, sendo 88,9% indicada em casos de traumas de faces. 

Profissionais fazem sequência rápida de intubação em paciente

Como é a técnica? 

A preparação do paciente para uma intubação submentoniana ocorre da mesma forma que para uma intubação orotraqueal de rotina, com monitorização adequada para cada tipo de procedimento e condição clínica de cada paciente e com todo o aparato de segurança para uma possível dificuldade técnica ou falha da intubação. 

Primeiro realiza-se a intubação orotraqueal como de costume. Após a intubação orotraqueal, faz-se a preparação do campo com assepsia e antissepsia e colocação de campos estéreis na região.  

Na região mediana submentual posterior à borda inferior da mandíbula, faz-se uma incisão de, aproximadamente, dois centímetros, e divulssionam-se as camadas musculares com uma pinça romba, sempre levando em consideração o tamanho do tubo. Em seguida, é realizado uma incisão no assoalho oral protegendo a glândula sublingual e, com a pinça aberta, cria-se um túnel entre as regiões submentual e o assoalho bucal para a passagem do tubo. 

Alternativa 

Pode-se também realizar o acesso lateralmente à região mandibular, porém o acesso mediano é mais recomendado, a fim de diminuir o risco de lesões de estruturas nobres.  

Em seguida, faz-se a introdução do balonete do tubo por meio do túnel e a desconexão do tubo do aparelho de ventilação com a retirada do conector, a fim de realizar a passagem do mesmo pelo acesso criado. Normalmente coloca-se um dedo de luva no tubo para facilitar a passagem. 

A retirada do conector do tubo traqueal deve ser checada antes da realização da técnica, para que não haja dificuldades. 

Recoloca-se o conector e novamente acopla-se o tubo ao respirador mecânico e, assim, faz-se a sutura da pele junto ao tubo para fixação dele. 

Sempre checar se não houve deslocamento do tubo durante o procedimento. 

Após a cirurgia, a intubação submentoniana é revertida para a posição oral com a passagem do tubo novamente para a cavidade bucal, realizando sutura da pele e extubação do paciente de forma convencional. 

A parte interior do assoalho bucal não necessita de sutura. 

Leia também: Cefaleia pós-punção lombar: como prevenir

Atenção redobrada 

Uma das complicações mais comuns encontradas durante o período intraoperatório utilizando essa técnica é a dobra do tubo traqueal, o que pode ser evitado utilizando tubos do tamanho 7 e 7,5 ou tubos aramados. Outras complicações posteriores, como infecção de pele, lesão nervosa, formação de fístula, hematoma e mucocele são bastante raras. 

Conclusão e mensagem prática 

A intubação submentoniana associa as vantagens da intubação nasotraqueal, diminuindo as suas complicações, como meningite iatrogênica e ruptura craniana e as vantagens da intubação orotraqueal, minimizando as complicações provenientes de uma traqueostomia. É indicada para todo paciente onde há contraindicação de intubação oral e nasal e quando não há necessidade de ventilação mecânica prolongada no pós-operatório. 

É muito importante levar em consideração que a técnica de intubação submentoniana, apesar de ser segura, rápida e apresentar raras morbidades, só deve ser realizada por profissionais treinados e com experiência cirúrgica específica. 

Selecione o motivo:

Errado

Incompleto

Desatualizado

Confuso

Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Autor

Graduação em Medicina pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) ⦁ Pós-Graduação em Anestesiologia pelo Ministério da Educação (MEC) ⦁ Pós-Graduação em Anestesiologia pelo Centro de Especialização e Treinamento da Sociedade Brasileira de Anestesiologia (CET/SBA) ⦁ Membro da Sociedade Brasileira de Anestesiologia (SBA) ⦁ Ênfase em cirurgias de trauma e emergência, obstetrícia, plástica estética reconstrutiva e reparadora e procedimentos endoscópicos ⦁ Experiência em trauma e cirurgias de emergência de grande porte, como ortopedia, vascular e neurocirurgia ⦁ Experiência em treinamento acadêmico e liderança de grupos em ambiente cirúrgico hospitalar ⦁ Orientadora acadêmica junto à classe de residentes em Anestesiologia ⦁ Orientadora e auxiliar em palestras regionais e internacionais na área de Anestesiologia.

Referências bibliográficas:
Ícone de seta para baixo

  • Da Cruz ID, et all. Dificuldades da Intubação Submentoniana em Pacientes com Traumas Faciais: Scoping Review. Research, Society and Development, v.9, n.9, e974998171,2020 

    Kaiser A, et al. Submental Intubation: An Underutilized Technique for Airway Management in Patients with Panfacial Trauma. The Journal of Craniofacial Surgery 29(5): p 1349-1351, July 2018 



Por: Gabriela Queiroz
Fonte/URL: https://pebmed.com.br/intubacao-submentoniana-uma-tecnica-pouco-utilizada/

Artigos Relacionados

Ministers and high-level health authorities of the Americas discuss future pandemic response

Geneva, May 28, 2024 (PAHO/WHO) – Ministers of health and high-level health authorities...

Syphilis cases increase in the Americas

Washington, DC, May 22, 2024 (PAHO)- New syphilis cases among adults aged...