Seja bem-vindo ao InfoCristão, o portal gospel da família brasileira!
quarta-feira , 29 maio 2024
Economia

Dólar fecha abaixo de R$ 5 pela primeira vez em quase um mês

Em mais um dia de alívio no mercado financeiro, o dólar voltou a cair e fechou abaixo de R$ 5 pela primeira vez em quase um mês. A bolsa de valores subiu após cinco quedas consecutivas.

O dólar comercial encerrou esta terça-feira (24) vendido a R$ 4,994, com queda de R$ 0,023 (-0,46%). A cotação chegou a abrir em alta, mas passou a despencar após a abertura dos mercados norte-americanos, até fechar próxima dos níveis mínimos do dia.

Com o desempenho de hoje, a moeda norte-americana está no menor valor desde 26 de setembro, quando era vendida a R$ 4,98. A divisa acumula queda de 0,66% em outubro e de 5,42% em 2023.

No mercado de ações, o dia foi marcado pela recuperação. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 113.762 pontos, com alta de 0,87%. O indicador foi impulsionado por petroleiras e mineradoras, além da entrada de capitais no Brasil.

Apesar de ter subido perante as principais moedas dos países emergentes, o dólar caiu em relação ao real. Notícias de que a China pretende promover uma nova rodada de estímulos compensaram a leve alta nos juros dos títulos do Tesouro norte-americano. Isso ocorre porque o país asiático é um grande consumidor de commodities (bens primários com cotação internacional), o que beneficia o Brasil.

Apesar do agravamento do conflito entre Israel e o grupo palestino Hamas, o mercado financeiro ainda não sofreu turbulências significativas porque a guerra, a menos que se alastre pelo Oriente Médio, tem pequeno impacto na produção de petróleo.

Fonte: Agência Brasil

Artigos Relacionados

CEO do JPMorgan diz que não se pode descartar “pouso forçado” para economia dos EUA

Para Jamie Dimon, CEO e chairman do JPMorgan Chase, um “pouso forçado”...

Haddad rebate crítica à política econômica: “Fantasminha fazendo a cabeça de pessoas”

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), demonstrou irritação e incômodo com...

Bancos e empresas agrícolas têm potencial com normalização da economia argentina

Os setores bancário e agrícola estão entre os segmentos mais promissores para...

Reformas pró-mercado na China poderiam adicionar US$ 3,5 tri à economia, diz FMI

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, afirmou que a...