Seja bem-vindo ao InfoCristão, o portal gospel da família brasileira!
quinta-feira , 30 maio 2024
Brasil

Revalida: reprovações provocam ‘boom’ de alunos em cursinhos; médico ensina como ‘driblar’ possíveis falhas da prova

Revalida: reprovações provocam ‘boom’ de alunos em cursinhos; médico ensina como ‘driblar’ possíveis falhas da prova

Na edição do segundo semestre do ano passado, apenas 263 conseguiram passar na segunda etapa do Revalida e, com isso, vão poder exercer a medicina no Brasil. Na primeira etapa, mais de 7 mil candidatos estavam presentes.

Segundo médicos brasileiros que fizeram o Revalida recentemente e professores consultados pelo g1, o nível de dificuldade do exame vem aumentando a cada edição.

Candidata mostra caderno de provas do Revalida de 2020 — Foto: Reprodução/Bom Dia Amazônia – AC

“É um fato que a prova está cada vez mais difícil. O nível de exigência tem crescido e isso faz com que os candidatos busquem uma preparação mais qualificada para fazer a prova”, avaliou a médica Thamyres Souza Areia, que passou no exame em 2022 e hoje dá aulas no cursinho Estratégia MED exclusivamente para revalidandos.

📚 Na instituição, o número de alunos quase dobrou de um ano para outro: passou de 2,7 mil matriculados em 2021 para 5,1 mil no ano passado. Para 2023, a tendência também é de aumento.

“Em 2017, quando eu comecei a estudar pelo Revalida, eu notei que alguns cursos do mercado só mudavam a embalagem: pegavam um curso de residência médica e vendiam para o Revalida. Mas não é a realidade. Os alunos hoje têm essa percepção aflorada. Daí veio a necessidade de criar um material específico”, explicou a médica e professora.

De acordo com Thamyres, muitos médicos com diploma estrangeiro preferem bancar um cursinho e aumentar a preparação do que reprovar e ter que pagar novamente a alta taxa de inscrição da segunda prova, onde o médico é testado na prática. O valor é de R$ 4.106,09.

Em alguns cursinhos para o Revalida, o ensino é feito com base nas provas anteriores, além de conceitos específicos sobre legislação e o funcionamento do Sistema Único de Saúde (SUS).

“Esse é um ponto que tem que ser bem abordado para o médico formado no exterior, porque na prova dele vai cair o SUS, que pode ser diferente do sistema de saúde pública do país onde ele estudou”, colocou Thamyres.

Médicos se preparam para fazer o Revalida — Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Candidatos questionam o exame

O médico formado no exterior, seja brasileiro ou estrangeiro, precisa passar por duas etapas para conseguir revalidar o diploma junto a uma universidade pública brasileira:

  • Na 1ª etapa, são 105 questões: 100 objetivas e 5 discursivas;
  • A 2ª etapa vale 100 pontos e testa as habilidades clínicas do médico com exercícios práticos.
  • A prova prática é dividida em 10 estações que simulam atendimentos no SUS com a participação de atores;
  • O médico tem 10 minutos para seguir uma lista de tarefas determinada e dar as respostas corretas sobre a saúde do “paciente”, indicando diagnóstico, tratamento e encaminhamento, por exemplo. A cada acerto, o médico ganha pontos, que são somados ao final.

Junto com o nível de dificuldade das provas, aumentaram também as reclamações sobre o exame. Médicos brasileiros que se formaram em universidades estrangeiras e que fizeram o Revalida em 2021 e em 2022 relatam inconsistências no conteúdo, falta de coerência na hora da correção e aumento indevido na nota de corte (pontuação mínima para o candidato ser aprovado).

Formado em medicina no campus da Universidad del Pacífico, localizado na cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero, que faz fronteira seca com a brasileira Ponta Porã (MS), o médico Bryan Nasato afirma que, dos 100 pontos em jogo na última prova prática do Revalida, aplicada em dezembro de 2022, 40,35 apresentavam inconsistências.

Davi Torres, formado em medicina na Universidade de Morón, na Argentina, não passou por 6,15 pontos, algo que considera injusto. “Eu falei pedra na vesícula e na prévia do gabarito estava colelitiase. É a mesma coisa. E me tiraram pontos”, afirmou o médico.

Diante da repercussão dos problemas com o Revalida, o médico Adelicio Galvão, formado na Bolívia e que passou no exame em 2021, começou a dar dicas e macetes sobre a prova em aulas online.

“A avaliação é uma das principais reclamações dos candidatos”, afirmou. “Não tem um padrão muito lógico e objetivo de correção. Alguns elementos da segunda etapa são insuficientes para o candidato chegar ao diagnóstico”, afirmou Galvão.

A prova simula um atendimento médico, então ela não pode fugir da medicina, daquilo que aplicamos no dia a dia, seja em um hospital ou um posto de saúde. Porém, no Revalida, o fluxo diverge da realidade

— Adelicio Galvão, médico revalidado e professor

De acordo com Galvão, a maioria dos candidatos do Revalida está matriculada em um curso preparatório – às vezes até em mais de um. O médico conta que hoje as aulas administradas por ele são focadas em ensinar técnicas e macetes para driblar as falhas das provas, principalmente na segunda etapa, e não somente no conteúdo que cai no exame.

“Se os cursos têm aumentado, a adesão dos candidatos tem sido significativa, por que o percentual de aprovação está cada vez mais baixo? Será que os candidatos não estão se preparando corretamente ou existe uma aparelhagem para mostrar que não valeria a pena estudar medicina no exterior?”, questionou.

A busca pela medicina no exterior

Cada vez mais brasileiros têm optado por estudar em outros países, principalmente da América Latina, para realizar o sonho de fazer medicina, diante do alto custo da mensalidade em universidades particulares e da grande concorrência em universidades públicas brasileiras.

🌎 Há também a questão geográfica: em localidades de fronteira, como Acre e Mato Grosso do Sul, às vezes é mais viável morar e estudar em outro país do que se deslocar aos grandes centros urbanos do próprio estado ou para outras regiões brasileiras.

Não há dados oficiais que mostram a alta pela procura pela medicina no exterior. Mas, nas 11 edições do Revalida, mais da metade dos inscritos afirmou ser brasileiro.

  • No Revalida do segundo semestre de 2022, dos 7.577 inscritos, 4.954 nasceram no Brasil.
  • Sobre o país de origem do diploma, os top cinco da 2ª etapa do exame do ano passado foram: Bolívia, Cuba, Paraguai, Argentina e Venezuela – quatro fazem fronteira com o Brasil.

Na primeira edição do Revalida de 2023, foram mais de 10 mil inscritos – desses, 7 mil disseram ser brasileiros. A maioria afirma ter se formado em medicina na Bolívia. As provas da 1ª etapa foram aplicadas em março e os resultados definitivos devem ser divulgados entre abril e maio. Ainda não há data para a realização da prova prática.

Bancada do Acre questiona exame 'Revalida, em Brasília

Bancada do Acre questiona exame ‘Revalida, em Brasília


Por: Arden Pepper
Fonte/URL: https://g1.globo.com/saude/noticia/2023/04/03/revalida-reprovacoes-provocam-boom-de-alunos-em-cursinhos-medico-ensina-como-driblar-possiveis-falhas-da-prova.ghtml

Artigos Relacionados

Brasília comemora hoje 60 anos de fundação

Geral Aniversário de Brasília Publicado em 21/04/2020 – 07:00 Por Vítor Ribeiro...

Congresso aprova R$ 71 bi para o novo Bolsa Família

O Congresso Nacional aprovou, nesta quarta-feira (26), projeto que destina R$ 71...

Brasil queimou mais de 185 milhões de hectares de biomas em 38 anos

Em 38 anos, entre 1985 e 2022, o Brasil queimou mais de 185 milhões de...

Não Se Engane #01: desmentimos fakes sobre vacinas e ameaça a cristãos

Com o objetivo de verificar informações virais e trazer informações corretas relacionadas...