Seja bem-vindo ao InfoCristão, o portal gospel da família brasileira!
sexta-feira , 12 julho 2024
Saúde

Furoato de fluticasona: mecanismo de ação e indicações

Furoato de fluticasona: mecanismo de ação e indicações

A rinite alérgica é uma das doenças crônicas mais prevalentes em serviços de saúde. Um estudo conduzido em uma capital brasileira, por exemplo, identificou uma prevalência de sintomas de rinite alérgica de 47% em indivíduos adultos participantes da pesquisa.¹ Essa condição de saúde é definida como uma inflamação crônica da mucosa de revestimento nasal, em que o tecido está disfuncional e reconhece antígenos comuns (pólen, ácaros, poeira, etc.) como uma ameaça, desencadeando uma reação imune.¹ Apresenta grande impacto na qualidade de vida dos pacientes tanto no aspecto físico quanto social.1

Essa reação é uma resposta imunológica tipo 2, sendo consequência de uma cascata de eventos, na qual há a produção de IgE específica. Além disso, o processo conta com a migração de eosinófilos, basófilos e linfócitos para a região.¹ O efeito final dessa cascata é a produção de muco, prurido, congestão e edema da mucosa nasal.1

Tratamento

De acordo com a Academia Americana de Alergia, Asma e Imunologia, o corticoide nasal é considerado a primeira linha no tratamento da rinite alérgica, pois reduz a resposta inflamatória local, reduzindo sintomas e prevenindo exacerbação.²

Existem diversos tipos de corticoides nasais, dentre os quais o furoato de fluticasona. Seu efeito é predominantemente local, com alta afinidade pelo receptor de glicocorticoide. Logo, é pouco absorvido e apresenta baixa biodisponibilidade, não tendo tanto efeito adverso como o corticoide sistêmico. É considerado, portanto, um corticoide nasal de alta potência.³

O furoato de fluticasona, atua na redução de células inflamatórias, com diminuição na produção e liberação de citocinas. Seu potente efeito anti-inflamatório minimiza a inflamação crônica, com melhora do edema e menor permeabilidade da mucosa. Com isso, há menos rinorreia, prurido e congestão.³

Estudos mostraram que o furoato de fluticasona é eficaz em tratar tanto a rinite esporádica (sazonal) quanto a rinite crônica com impacto positivo na qualidade de vida dos pacientes.4

Nos últimos anos, estudos compararam a preferência dos pacientes em relação aos corticoides nasais, sendo o furoato de fluticasona a principal escolha frente à melhora dos sintomas, com menos efeito adverso, como mudança no paladar e olfato, permitindo melhor adesão ao tratamento. No geral, mais de 50% dos pacientes preferem o furoato de fluticasona quando comparado à mometasona com significância estatística. 5,6,7

De acordo com a revisão sistemática de 2019, publicada na Clinical Therapeutics, foram encontrados cinco estudos randomizados controlados que compararam furoato de fluticasona (110mcg) ao placebo, que mostraram superioridade da fluticasona em relação ao controle de sintomas nasais e oculares, como prurido e congestão. Além disso, em relação à segurança, o uso prolongado não teve impacto no eixo hipotálamo-hipófise-adrenal, tampouco foram encontrados efeitos colaterais relacionados a corticoterapia sistêmica (ganho ponderal, hipertensão de disglicemia).7

Por fim, e talvez o aspecto mais importante, mais de nove estudos analisaram a preferência dos pacientes em relação ao placebo e outros corticoides tópicos. Conforme já explicitado, a revisão corrobora a preferência em relação ao furoato de fluticasona, devido à menor taxa de evento adverso, facilidade de uso do dispositivo e controle e alívio dos sintomas.7

Selecione o motivo:

Errado

Incompleto

Desatualizado

Confuso

Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Autor

Médica formada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) ⦁ Especializada em Clínica Médica com residência no Hospital Universitário Pedro Ernesto pela UERJ ⦁ Especializada em Terapia Intensiva pelo Instituto D’Or de Ensino e Pesquisa, com título de especialista pela Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB) ⦁ Residente de Pneumologia no Hospital Universitário Pedro Ernesto pela UERJ.

Referências bibliográficas:
Ícone de seta para baixo

  • Informações de Segurança de Avamys:
  • Contraindicação: Avamys® Spray Nasal é contraindicado para pacientes com hipersensibilidade a qualquer um dos ingredientes do produto. Este medicamento é contraindicado para menores de 2 anos.
  • Interação Medicamentosa: não foram observadas interações medicamentosas nos estudos conduzidos.
  • Reações Adversas: epistaxe, ulceração nasal, cefaleia
  • Para acessar a bula de Avamys clique aqui: https://br.gsk.com/media/6298/avamys.pdf
  • *As bulas de todos os medicamentos e vacinas GSK estão disponíveis no https://br.gsk.com/pt-br/produtos/

  • Referências:

  • 1. SAKANO, E. et al. IV Consenso Brasileiro sobre Rinites-2017. Doc conjunto da Assoc Bras Alerg e Imunol Assoc Bras Otorrinolaringol e Cir Cérvico-Facial e Soc Bras Pediatr, p. 1-43, 2017.

  • 2. WALLACE, Dana V. et al. The diagnosis and management of rhinitis: an updated practice parameter. Journal of allergy and clinical immunology, v. 122, n. 2, p. S1-S84, 2008.

  • 3. DERENDORF, H.; MELTZER, E. O. Molecular and clinical pharmacology of intranasal corticosteroids: clinical and therapeutic implications. Allergy, v. 63, n. 10, p. 1292-1300, 2008.

  • 4. JACOBS, Robert et al. Effectiveness of fluticasone furoate 110 μg once daily in the treatment of nasal and ocular symptoms of seasonal allergic rhinitis in adults and adolescents sensitized to mountain cedar pollen. Current medical research and opinion, v. 25, n. 6, p. 1393-1401, 2009.

  • 5. YONEZAKI, Masafumi et al. Preference evaluation and perceived sensory comparison of fluticasone furoate and mometasone furoate intranasal sprays in allergic rhinitis. Auris Nasus Larynx, v. 43, n. 3, p. 292-297, 2016.

  • 6. YANEZ, Anahi et al. A patient preference study that evaluated fluticasone furoate and mometasone furoate nasal sprays for allergic rhinitis. Allergy & Rhinology, v. 7, n. 4, p. 183-192, 2016.

  • 7. MAY, J. Russell; DOLEN, William K. Evaluation of intranasal corticosteroid sensory attributes and patient preference for fluticasone furoate for the treatment of allergic rhinitis. Clinical Therapeutics, v. 41, n. 8, p. 1589-1596, 2019.
  • Este material é de propriedade da GSK, a reprodução deste é proibida sem o consentimento da empresa. Informação destinada exclusivamente para profissionais de saúde habilitados a prescrever ou dispensar medicamentos. Recomenda-se a leitura da bula do produto, antes da prescrição de qualquer medicamento/vacina. Mais informações à disposição, sob solicitação ao Departamento de Informações Médicas (DDG 0800 701 2233 ou [email protected]). Para notificar informações de segurança, incluindo eventos adversos, ocorridos durante o uso de medicamentos/vacinas da GSK, entre em contato diretamente com o Departamento de Farmacovigilância da empresa pelo e-mail [email protected] ou através do representante do grupo de empresas GSK. As marcas registradas pertencem ou são licenciadas ao grupo de empresas GSK.
  • PM-BR-FLF-JRNA-240002 – Abril/24



Por: Bruna Provenzano
Fonte/URL: https://pebmed.com.br/furoato-de-fluticasona-mecanismo-de-acao-e-indicacoes/