Seja bem-vindo ao InfoCristão, o portal gospel da família brasileira!
sexta-feira , 12 julho 2024
Destaques

Pastores alertam para riscos da descriminalização do consumo de maconha

Pastores alertam para riscos da descriminalização do consumo de maconha
Usuário de drogas (Foto: Reprodução)

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de não considerar crime a posse para consumo próprio de até 40 gramas de maconha ou seis plantas fêmeas de cannabis levou essa discussão a várias esferas da sociedade, inclusive à classe religiosa. Quais impactos a decisão trará para as famílias? Como a Igreja deve se posicionar em relação a isso?

O pastor e teólogo Lourenço Stelio Rega diz que decisão do STF acaba atendendo à mobilização da Hipermodernidade (Pós-modernidade) de entronizar o indivíduo como portador de plena e inquestionável vontade para fazer de sua vida o que bem quiser.

“Nesse sentido, vivemos em uma sociedade permissiva, sem normas que possam ser aplicadas de forma ampla; uma sociedade imediatista, sem passado e, muitas vezes, sem futuro, pois as pessoas vivem totalmente no presente e buscam gratificação e bem-estar imediatos, a sobrevivência apenas para hoje. Não há comprovação de que, liberando o consumo de maconha, ainda que em quantidade determinada, venha diminuir a criminalidade”, disse.

Para Rega, esse tipo de discussão não pode ficar nos gabinetes protegidos de juízes, “sem que mães de drogaditos possam dar testemunhos sobre o dilema que é ter um viciado em casa”.

“Essa decisão cuida das consequências dessa sociedade secularizada e permissiva, em vez de tratar causas e dilemas que a cada dia mais tornam a vida complexa e degradante. Mais uma vez, os efeitos são focalizados sem o tratamento das causas. A família tem sido fragilizada e perde suporte para poder cumprir o seu papel”, diz o teólogo.

Para o pastor Evaldo Carlos, presidente da Primeira Igreja Batista da Praia da Costa, em Vila Velha (ES), a decisão do STF afronta o poder Legislativo, visto que, recentemente, o Senado já havia definido que qualquer posse de droga é crime, decisão essa que já se encontra em análise pela Câmara.

“É como se o STF estivesse dizendo que não há necessidade de termos deputados e senadores eleitos pelo povo, pois eles (os ministros do Supremo) são suficientes para legislar, julgar e executar, e ponto”, ressaltou Evaldo.

O pastor enfatizou, ainda, que a decisão não levou em consideração as consequências que essa liberação para o consumo trará para a sociedade. “Penso que a decisão tomada é absurda, pois não mede as consequências que ela poderá trazer. Quem se responsabilizará pelas pessoas que livremente e sem nenhum freio utilizarem essa liberação para cometer toda sorte de ilícitos no meio social?”, questiona.

Evaldo lembra que um controle sobre a venda e o consumo será praticamente impossível. “Quem fará o controle da venda, da comercialização e do consumo da quantidade de maconha determinada pelo STF? O que garante que as pessoas vão utilizar apenas aquilo que foi determinado? Em nenhum lugar no mundo a liberação de maconha ou de qualquer outra droga ilícita trouxe algum tipo de melhora”, alerta.

O pastor Jorge Linhares, presidente da Igreja Batista Getsêmani e do Conselho de Pastores do Estado de Minas Gerais (CPEMG), lembra que as grandes tragédias da vida também começaram de forma “pequena”.

“A liberação da maconha é uma porta aberta para a desgraça. É só perguntar a quem luta para se libertar do vício. Eles começaram com um consumo pequeno e hoje não têm mais forças para conseguirem a libertação. E tem outro agravante: os policiais não têm como andar com a balança, o que deverá demandar um trabalho extra quando poderiam estar utilizando em outra ação”, alerta Linhares.

O pastor também lembra que a maioria dos criminosos, quando relatam seus crimes, falam que fizeram uso de entorpecentes como forma de “criar coragem” para cometer o delito. “É como se liberasse um percentual de bebida alcoólica para poder dirigir, tamanha a gravidade dessa decisão e as consequências que virão”, lamenta.

Na opinião do pastor Helio Carnassale, palestrante e consultor internacional em Liberdade Religiosa e mestre em Ciências da Religião, o cristianismo enxerga o ser humano de uma perspectiva holística, mente, corpo, espírito integrados, ou seja, tudo aquilo que venha a interferir na capacidade mental, como é o caso da maconha, também atingirá o espiritual.

“Sendo assim, não concordo com a liberação da maconha e nem de nada que afeta a saúde física e mental, como a bebida alcoólica, que destrói milhares de pessoas e famílias”, afirma.

Igreja deve estimular estilo de vida saudável

Helio Carnassale ressalta que a liderança da igreja deve sempre estimular os fiéis a terem um estilo de vida saudável, pois isso agrada a Deus. “O que precisamos fazer, cada vez mais, é trabalhar para conscientizar as pessoas da importância de viver de forma saudável, equilibrada, evitando todos os elementos que possam trazer prejuízo à saúde, ainda que um estado aprove esse tipo de leis”, sugere Carnassale.

O pastor faz questão de enfatizar que os cristãos não podem esperar que o estado siga os princípios bíblicos e que cabe a cada um permanecer fiel a Deus, mesmo quando as leis são contrárias à Bíblia.

“Não podemos querer que o Estado se conforme com os valores e princípios da Igreja. Quando essas leis ou normas não combinam com os valores e princípios cristãos, nós temos a liberdade para viver do jeito que cremos, de acordo com a nossa consciência, de modo que essas questões não nos afetem”, conclui.

Fonte: Comunhão


Por: Folha Gospel
Fonte/URL: https://folhagospel.com/pastores-alertam-para-riscos-da-descriminalizacao-do-consumo-de-maconha/

Artigos Relacionados

Leitura diária da Bíblia está relacionada a felicidade e saúde mental entre a Geração Z

Pessoas com as mãos postas orando e uma Bíblia (ilustração) De acordo...

Benny Hinn volta a falar em dinheiro, cinco anos após renunciar ao evangelho da prosperidade

Benny Hinn durante entrevista com Stephen Strang, apresentador do The Strang Report....

Livro “Ela à Imagem dele”: Francine Walsh discorre sobre temas femininos sensíveis dentro e fora da igreja 

Escritora e psicoterapeuta Francine Walsh. Foto: Divulgação. A psicopedagoga Francine Walsh explora...

O STF e a Liberdade de Expressão Religiosa no País

Fachada do palácio do Supremo Tribunal Federal (STF) O CEDIRE – Centro...