Conteúdo Cristão, Notícias, Estudos, Meditações, Vídeos e Muito Mais!

Igrejas na Jordânia e no Líbano abrem as portas para refugiados afegãos

40
Cristãos sírios refugiados. (Foto: Reprodução)

Na última década, o Oriente Médio se tornou uma das regiões que hospeda o maior número de pessoas deslocadas do mundo. A maioria deles é da região vizinha, como resultado da guerra que assola a Síria desde 2011, mas também há muitos que chegam de outros lugares, como o Afeganistão.

Embora o Irã e o Paquistão hospedem 90% dos refugiados afegãos, mais de 2,2 milhões de pessoas, de acordo com a Agência das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), as crescentes limitações em ambos os países para receber mais pessoas deslocadas e seu desejo de chegar à Europa tornam o Oriente Médio um território essencial na rota de muitos migrantes.

O novo conflito no Afeganistão após os recentes acontecimentos, com a retirada das tropas dos EUA e a vitória do Talibã, que agora assumiu o governo do país, levou a um movimento crescente de pessoas dentro e fora do país.

Por conta desse novo cenário, o Oriente Médio já contempla a chegada de mais gente.

“Não é fácil fugir a pé e cruzar as fronteiras para os países vizinhos. É um terreno acidentado extremamente desconhecido e as travessias são imprevisíveis e perigosas”, explica o presidente do Conselho Evangélico da Jordânia, David Rihani.

E acrescenta: “As minorias em fuga, especialmente as da fé cristã, vivem com medo, expostas ao tráfico humano e aos abusos em ambos os lados das fronteiras. Estamos orando por sua segurança”.

Igrejas na Jordânia

Só na Jordânia existem mais de 750 mil pessoas assentadas e em busca de refúgio, de acordo com o ACNUR. A maioria delas vem da Síria, mas também muitos vêm de outros países, como o Afeganistão.

Rihani enfatiza que “a Jordânia aceitou vários milhares de refugiados afegãos evacuados para ficarem na Jordânia temporariamente até que eles consigam ir para outros países de acolhimento. No momento, a Jordânia é apenas um ponto de trânsito temporário para os evacuados afegãos”.

“A Jordânia sempre esteve na vanguarda trabalhando com a comunidade mundial para receber e ajudar os refugiados, mas precisamos de apoio internacional já que nossa economia tem sofrido”.

As igrejas evangélicas desempenharam um papel fundamental nesta recepção: “Muitas de nossas igrejas abriram suas portas e instalações para receber todos os refugiados e forneceram alimentos, roupas e abrigo. Cristãos evangélicos abriram suas casas para abrigar famílias de refugiados vulneráveis ​​e mães solteiras com crianças vindas do Iraque e da Síria”.

“Também abrimos centros de treinamento para mulheres, ensinando-lhes habilidades para poderem sustentar suas famílias. Podemos fazer o mesmo pelos refugiados afegãos, se eles forem autorizados a permanecer na Jordânia”, sublinha Rihani.

O presidente do Conselho Evangélico da Jordânia também destaca que seu trabalho com os refugiados cristãos do Afeganistão começa mesmo quando eles ainda estão dentro das fronteiras de seu país.

“Estamos em contato com várias famílias que estão fugindo para salvar suas vidas, mas presas dentro do Afeganistão. Temos conhecimento de quase 70 famílias cristãs, num total de 400 pessoas, principalmente mulheres e crianças”.

Além disso, ele também enfatiza que “a resposta das igrejas evangélicas é sensibilizar as comunidades mundiais para encontrar soluções e um destino seguro para os refugiados em fuga”.

“Também oramos para que os países vizinhos do Afeganistão, especificamente Paquistão e Irã, abram suas fronteiras para as minorias cristãs que estão presas e temem por suas vidas, para garantir sua passagem segura e permitir que fiquem até receberem vistos de trânsito para se mudarem para outras nações anfitriãs”

Igrejas no Líbano

Os refugiados dizem que “temos sido abençoados em ver a igreja abrindo suas portas”.

Com mais de 870 mil refugiados em seu território, o Líbano é um dos países que mais abriga pessoas no mundo, segundo o ACNUR, mesmo com as dificuldades internas do país.

“Há uma sensação geral de cansaço, pois a crise já dura há muitos anos. No Líbano, a população local também se encontra vulnerável em função das calamidades que atingiram o país”, explica o chefe de operações da organização cristã evangélica Sociedade Libanesa para Educação e Desenvolvimento Social, Wissam Nasrallah.

Embora “agora eles também precisem de cuidados, muitos cristãos continuam servindo fielmente entre os refugiados e atendendo às suas necessidades físicas, emocionais e espirituais”.

De acordo com Nasrallah, “a Igreja ao longo da história tem tentado encontrar um equilíbrio entre garantir a sobrevivência e a continuidade da fé e seu compromisso com o mundo ao seu redor de maneiras significativas”.

Ele lamenta o que vê como uma prevalência do medo “por muitos anos”. “Queríamos proteger a nós e aos nossos filhos do mundo exterior”.

“A igreja não deve existir isolada. Somos chamados a ter uma presença encarnacional nas comunidades onde vivemos. Nosso entendimento do Evangelho é frequentemente muito estreito e limitado. Entendemos o evangelho como uma proclamação verbal em que a igreja deve se preocupar apenas com questões espirituais”, diz Nasrallah.

Ele ressalta que no Líbano eles “foram abençoados em ver como a Igreja pode abrir suas portas, mostrar cuidado e expressar de maneira prática o amor de Jesus aos vulneráveis ​​e à comunidade, e assim, ser uma testemunha eficiente e poderosa a Cristo”.

“Como você pode falar sobre Jesus para alguém que está com fome? Da mesma forma, você só pode cuidar do temporal sem o eterno? Seria como dar paracetamol a um paciente com câncer. Proclamação e demonstração do evangelho sempre andam juntas”, completa.

Um efeito dominó do Afeganistão?

Há dois anos e meio, a expulsão do autoproclamado Estado Islâmico de todos os enclaves que ocupou no Oriente Médio foi celebrada como uma vitória por muitos.

No entanto, o atentado ao aeroporto de Cabul alegado pelo grupo ISIS que opera no território conhecido como Grande Khorasan, que na prática se limita ao Afeganistão, Paquistão e partes da fronteira indiana, levantou preocupações sobre a atividade jihadista na região.

“Acho que o ISIS tentará tirar vantagem da instabilidade e do caos que ocorrem no Afeganistão hoje. Eles lutarão para assumir o poder no Afeganistão. Precisamos olhar apenas alguns anos para trás e aprender com a situação que foi causada pelo ISIS tanto na Síria quanto no Iraque”, disse Rihani.

Nasrallah também acredita que “a vitória do Taleban deu esperança e encorajou centenas de grupos radicais na região”.

Para Nasrallah, “ao contrário da Al Qaeda, que era uma organização global, o ISIS está interessado no território e em governar um califado. Eles provavelmente esperam encontrar um lugar favorável no Afeganistão depois de não terem conseguido manter seu califado na Síria e no Iraque”.

“Nosso medo é que a região se torne mais radicalizada se esses grupos prosperarem. A triste verdade é que o berço do cristianismo está sendo esvaziado de suas antigas comunidades cristãs”, acrescenta Nasrallah.

Um dilema para a igreja no Oriente Médio

“Por centenas de anos, muçulmanos e cristãos viveram juntos em relativa paz, e os cristãos contribuíram positivamente para a formação da cultura do Oriente Médio por meio da educação, saúde, ciência e literatura”, explica ele.  

No entanto, “o longo do século XX, as comunidades cristãs no Oriente Médio diminuíram em número por causa das baixas taxas de natalidade, emigração e, em alguns casos, perseguição e violência. Essa tendência secular se acelerou nos últimos anos, devido ao surgimento do Islã fundamental, cidadania de segundo nível, falta de oportunidades econômicas, corrupção e governança deficiente”.

Nasrallah fala de um “êxodo cristão” em países como Iraque, Síria e Líbano, como consequência de todos esses fatores.

“Esta crise também está afetando fortemente a igreja com a saída de muitos pastores e jovens, o que é uma reminiscência do êxodo causado pela guerra civil de 15 anos”.

Nasrallah adverte que “toda comunidade cristã carrega consigo um pedaço da história do cristianismo e do Oriente Médio. Ao perder suas populações cristãs, o Oriente Médio está perdendo parte de sua alma e pluralidade. Do ponto de vista espiritual, a Igreja está perdendo mão de obra e recursos, limitando assim sua capacidade de dar um testemunho cristão eficaz na região”. 

Ele acredita que “este é um momento crítico na história da região. Se nada for feito hoje, as igrejas antigas não serão mais visitadas como locais de comunidade e adoração. Numa única geração, não passam de museus”. 

“Muitos evangélicos hoje lutam com a questão de saber se devem partir para proporcionar uma vida melhor para suas famílias ou permanecer para dar um testemunho cristão ativo”, concluiu Nasrallah.

Fonte: Guia-me com informações de Evangelical Focus



Fonte: Folha Gospel
Referência: https://folhagospel.com/igrejas-na-jordania-e-no-libano-abrem-as-portas-para-refugiados-afegaos/

Comentários
Carregando...

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More

Privacy & Cookies Policy