Seja bem-vindo ao InfoCristão, o portal gospel da família brasileira!
sexta-feira , 12 julho 2024
Destaques

Corte Europeia de Direitos Humanos permite a proibição de “símbolos religiosos visíveis” nas salas de aula

Corte Europeia de Direitos Humanos permite a proibição de “símbolos religiosos visíveis” nas salas de aula
Sala de aula com cruz (Foto: Reprodução)

As escolas têm o direito de pedir aos alunos que não usem símbolos religiosos visíveis na escola, afirmou a Corte Europeia de Direitos Humanos (ECHR).

Um centro educacional não está restringindo a liberdade religiosa dos alunos quando decide proibir todos os símbolos religiosos “sem distinção” entre as religiões. Em outras palavras, os alunos podem ser solicitados a deixar qualquer expressão visível de sua fé em casa.

Nessa “decisão final” de 16 de maio de 2024, uma câmara de sete juízes da CEDH rejeita o recurso de três estudantes muçulmanos da Bélgica que haviam perdido o processo judicial em nível nacional. Eles argumentaram que a proibição de usar “símbolos religiosos visíveis durante as atividades de ensino” introduzida em sua escola “violava seu direito ao respeito pela vida privada, seu direito à liberdade de manifestar sua religião ou crença, seu direito à liberdade de expressão e seu direito à educação”.

O fato de não poderem usar o lenço islâmico colidiu com o Artigo 9 da Convenção Europeia de Direitos Humanos, afirmaram as famílias muçulmanas.

Mas a Corte Europeia rejeitou o caso dizendo que a reclamação era “mal fundamentada”.

A única condição para a proibição de símbolos religiosos visíveis na sala de aula deve ser que eles sejam aplicados com “proporção” e deixando de fora as horas de Educação Religiosa.

Proibição para proteger a “neutralidade”

Não permitir o uso de símbolos religiosos pode ser justificado pelo princípio da “neutralidade”, diz a CEDH, especialmente em contextos em que se identifica a necessidade de “proteger os alunos de qualquer forma de pressão social e proselitismo”.

A rede de escolas públicas na região flamenga da Bélgica que implementou a proibição de símbolos religiosos na escola disse que o fez para reduzir a pressão sobre as meninas de origem árabe que não queriam usar véu.

A Corte Europeia conclui dizendo que “o conceito de neutralidade no sistema educacional da Comunidade, entendido como a proibição, de modo geral, do uso pelos alunos de símbolos visíveis de suas crenças, não contrariava, por si só, o artigo 9 da Convenção e os valores a ela subjacentes”.

A decisão poderá agora ser seguida por outros sistemas educacionais na Europa.

A CEDH é o tribunal do Conselho da Europa, uma organização internacional formada por 46 países europeus. O Conselho da Europa não deve ser confundido com a União Europeia, que tem seu próprio poder judiciário, a Corte Europeia de Justiça.

Folha Gospel como informações de Evangelical Focus


Por: Folha Gospel
Fonte/URL: https://folhagospel.com/corte-europeia-de-direitos-humanos-permite-a-proibicao-de-simbolos-religiosos-visiveis-nas-salas-de-aula/

Artigos Relacionados

Leitura diária da Bíblia está relacionada a felicidade e saúde mental entre a Geração Z

Pessoas com as mãos postas orando e uma Bíblia (ilustração) De acordo...

Benny Hinn volta a falar em dinheiro, cinco anos após renunciar ao evangelho da prosperidade

Benny Hinn durante entrevista com Stephen Strang, apresentador do The Strang Report....

Livro “Ela à Imagem dele”: Francine Walsh discorre sobre temas femininos sensíveis dentro e fora da igreja 

Escritora e psicoterapeuta Francine Walsh. Foto: Divulgação. A psicopedagoga Francine Walsh explora...

O STF e a Liberdade de Expressão Religiosa no País

Fachada do palácio do Supremo Tribunal Federal (STF) O CEDIRE – Centro...