Seja bem-vindo ao InfoCristão, o portal gospel da família brasileira!
sexta-feira , 12 julho 2024
Ciência e Tecnologia

Steam, uma banana e o inusitado sucesso

Steam, uma banana e o inusitado sucesso

Qual o segredo para um jogo fazer sucesso? Bom, se eu tivesse a resposta para essa pergunta, neste momento eu provavelmente estaria sentado na beira de um mar com águas cristalinas enquanto tomava um delicioso drink e apertava F5 na minha conta bancária. Como não é o caso, me resta observar com uma tremenda perplexidade o último sucesso do Steam, um “jogo” sobre… uma banana.

Vamos saudar a banana (Crédito: reprodução/Dori Prata/Stable Diffusion)

Banana (sim, o nome é esse) chegou ao Steam no final de abril e é uma criação do trio Pony, Sky e AestheticSpartan. Desde então, o jogo — se é que podemos chamar assim — tem atraído milhares de pessoas, chegando a 884,469 jogadores simultâneos no seu ápice. Com tal número, ele se coloca na 9ª posição da lista dos títulos com o maior número de pessoas jogando ao mesmo tempo, ficando à frente de gigantes como Hogwarts Legacy, Baldur’s Gate 3, Apex Legends, Call of Duty e Fallout 4.

No momento em que escrevia essa matéria, Banana aparecia como o 2º título com a maior quantidade de jogadores simultâneos (816,543) no Steam, sendo superado apenas pelo Counter-Strike 2. Mas você pode estar se perguntando o que há demais em um jogo se destacar no serviço de distribuição digital da Valve. Pois veja o que diz a sua descrição:

Banana é um jogo de clicar, em que você clica em uma banana! Em Banana, você clica na banana para ganhar mais bananas! A cada três e 18 horas, você recebe uma banana. Cada banana é criada pela comunidade no Discord. Venha sair com a gente e vamos crescer para algo incrível!”

Lhe pareceu simples demais? Pois é só isso mesmo. Aqui não temos gráficos elaborados, uma jogabilidade desafiadora, nem mesmo uma trilha sonora. É apenas um fundo simples, com uma banana ao centro e a única coisa além da fruta, é um contador que mostra quantas vezes você já clicou nela.

Crédito: Reprodução/Dori Prata/Stable Diffusion

Logo, como algo com essas características poderia estar atraindo tantas pessoas? Como algo que talvez não passe de uma chacota conseguiu 88% de aprovação nas mais de 20 mil avaliações? Pois podemos dar algumas explicações.

A primeira delas é que embora algumas skins possam ser compradas para deixar a fruta com um visual diferente, Banana está disponível gratuitamente no Steam. Porém, isso não me parece suficiente para chamar a atenção de tanta gente e então chegamos a um recurso que surge como principal candidato a ser o responsável pelo sucesso.

Acontece que ao “jogar”, de tempos em tempos receberemos uma nova banana, com o item podendo ser vendido no Mercado do Steam. No geral, esses itens custam uma mixaria, apenas poucos centavos por serem bastante comuns, mas alguns foram encontrados poucas vezes e acredite, estão valendo pequenas fortunas.

Ao olharmos o Mercado dedicado ao “jogo”, podemos ver que a skin mais cara é a Crypticnana, que está sendo vendida por mais de US$ 1,7 mil. Antes que você pergunte quem seria louco de gastar tanto com um item virtual, saiba que existem apenas 25 delas e hoje (19/6) uma foi vendida por US$ 1150 (pouco mais de R$ 6.200!).

Além desta, o valor pedido pela Cybernana também está bem alto, passando dos US$ 1200, mas o máximo que alguém já pagou por essa skin foi US$ 160. Mesmo assim, não deixa de ser uma boa quantia para um item que não serve para muita coisa.

Banana

Sim, essa é a tela do “jogo” (Crédito: Reprodução/Dori Prata/Pony, Sky e AestheticSpartan)

Na descrição dos itens podemos ver que aqueles mais caros estiveram disponíveis por apenas alguns dias, surgiram de alguma falha ou deixaram de vendidos na página do jogo. E aqueles que tiveram a sorte de encontrar um desses conseguiram faturar uma quantia razoável apenas… clicando em uma banana.

Mas claro, por se tratar de um jogo que pode render algum dinheiro, algumas pessoas já estariam buscando brechas, usando códigos que fiquem responsáveis por “cultivar” mais e mais bananas. Na minha tentativa, “jogando” de maneira honesta, eu não tive muita sorte. Após 500 cliques recebi duas skins que me renderam R$ 0,09, valor que nem paga o movimento que fiz com o dedo.

Mas independentemente de quanto você conseguir faturar com o Banana, quem realmente deve estar adorando essa febre são criadores do jogo e os donos do Steam. Isso porque, sempre que vendemos um item no Mercado da loja, uma porcentagem vai para os desenvolvedores e outra fica com a Valve.

Imagine a seguinte situação: após brincar um pouco com o jogo, ele lhe dá uma carta que acaba sendo vendida por R$ 1. Desse valor, você ficará com R$ 0,88, o que muitos considerariam vantajoso. Porém, o item poderá ser revendido e digamos que a pessoa faça isso por R$ 1,10, ficando com R$ 0,97. Já numa hipotética terceira venda, com o mercado menos aquecido, o comprador paga apenas R$ 0,80 na mesma carta, o que renderá R$ 0,70 a quem a vendeu.

Vamos saudar a banana

Crédito: Reprodução/Dori Prata/Stable Diffusion

Embora os valores exatos que cada desenvolvedor recebe com essas vendas não seja divulgado e varie caso a caso, só nessas três vendas houve uma movimentação de R$ 0,35. Mesmo considerando que quase tudo fica com a Valve, estamos falando de apenas três negociações e para um título aproveitado diariamente por centenas de milhares de pessoas, hoje o Banana deve estar rendendo uma boa quantia aos seus criadores, mas principalmente, ao Steam.

Ao saber do sucesso que a ideia de Pony, Sky e AestheticSpartan estava fazendo, confesso que num primeiro momento achei se tratar de alguma campanha maluca para outro jogo. Algo assim poderia muito bem ter surgido da mente de um Peter Molyneux ou Hideo Kojima, mas olhando para como essas pessoas devem estar faturando, sendo que investiram quase nada no projeto, tendo a acreditar na Navalha de Occam.

De certa forma, o que o trio fez com o Banana foi levar o conceito dos NFTs para o Steam, faturando e permitindo que outro também lucrem com a venda de itens que, no fundo, não possuem valor algum. Embora vender skins, cartas e qualquer outro tipo de itens naquele Mercado não seja algo novo, foi uma fruta tão comum por aqui acabou mostrando para muita gente que é possível ganhar dinheiro naquele espaço.


Por: Dori Prata
Fonte/URL: https://meiobit.com/464419/steam-uma-banana-e-o-inusitado-sucesso/

Artigos Relacionados

Sim, está na hora de um Sonic RPG

Desde o lançamento do primeiro jogo, há mais de três décadas, o...

Okami: uma obra de arte (que poderia ter sido melhor)

Sempre que o assunto é a disseminação cultural proporcionada pelos videogames, um...

Paramount aprova fusão com Skydance por US$ 8 bilhões

E parece que a novela finalmente chegou ao fim: a Paramount entrou...

Zenless Zone Zero — mudança de ritmo

Zenless Zone Zero é o mais novo gacha game da miHoYo, a...